PESQUISAR ARTESÃO

Moda na Fenearte: saiba como vão ser os desfiles desta edição

Por: Carol Botelho - Folha de Pernambuco.

Passarela da Feira Nacional de Negócios do Artesanato completa 11 anos aliando o feito à mão ao contemporâneo, como faz a alta costura. Veja também outras novidades culturais do evento.


Um incêndio na Comunidade Santa Luzia, na Torre, atingiu a casa de vários moradores, inclusive a de Luciene Soares, que perdeu tudo. Mas conseguiu salvar o que para ela tinha mais valor: seus croquis de moda. 

Através da mídia, muita gente soube que o sonho de Luciene era ser estilista e desfilar suas criações na 18ª Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte). Em parceria com a Faculdade Boa Viagem, Luciene virou a estilista Lukka, e não apenas mostrará sua coleção dentro da programação da Passarela Fenearte, no dia 11 de julho, às 19h, como também vai expor 100 croquis de sua autoria.

Coordenado pela estilista Andréa Tom, o evento terá 16 desfiles entre 8 e 15 de julho, com a participação de todos os cursos de moda de Pernambuco, além de um da Paraíba. A Faculdade de Desenvolvimento e Integração Regional (Fadire) fez um trabalho de upcycling juntando recortes de tecidos da Sulanca em peças de shape contemporâneo e cores vivas.

Do palco para a passarela, Lia de Itamaracá virou inspiração para a coleção "Odoyá, Lia, nossa Rainha", da Faculdade Senac, que focou no entrelaçado das peças e na mistura do azul-mar com bege-terroso. 

Integram a programação também projetos sociais como a Secretaria da Mulher e o Ária Social. Este último exibirá peças da marca Conceito Marina, com interferências de trabalhos manuais realizados pelas mães das alunas do espaço comandado por Cecília Brennand. 

Já a Secretaria da Mulher fez parceria com diversos municípios a partir de cooperativas, como a de Jurema (crochê), Lagoa do Carro (tapeçaria), Orobó (frivolité), Jaboatão dos Guararapes (algodão cru), Passira (bordados) e Paulista (acessórios de papel e tecido).

"Meu objetivo sempre foi fazer com que o estilista integrasse o artesanato ao seu processo criativo. A alta costura tem ido em busca disso constantemente. No caso dos estudantes de moda, quando eles chegam ao mercado, já chegam com esse olhar. Isso faz a cadeia da moda girar", declara a estilista. 

Andréa também ressalta a importância de um espaço como o da Fenearte para a moda local. "Nenhum projeto de moda aqui do Estado tem durado tanto", ressalta Andréa.
Entre os nomes autorais escolhidos por Andréa, a Bresha Moulagerie, de Lela Correia, de Vitória de Santo Antão, mistura bordados com pedrarias, muita renda e estampas. Jaqueline Deodato também investiu nas pedrarias, só que aliada aos acessórios. 

Novamente as pedrarias aparecem na coleção de Carol Monteiro, que fez uma imersão no Sertão do Cariri, na Paraíba, de onde trouxe pedras semi-preciosas, dentes e ossos de animais encontrados pelo caminho parar criar maxi colares.

Novidades

Para comemorar a maioridade do evento, uma exposição com a linha do tempo rememora edições anteriores em iconografia como cartazes, fotos e peças vencedoras dos últimos Salões de Arte Popular. 

Facilitando a vida dos visitantes, os estandes foram agrupados por tipologia. Assim fica mais fácil na hora de pesquisar preços e depois voltar para comprar. No intervalo do lanche, os food trucks, que fizeram o maior sucesso ano passado, continuam por lá.

No palco musical, Patrimônios Vivos e grupos dos quatro cantos de Pernambuco, como Maracatu Leão Coroado, Aurinha do Coco, Lia de Itamaracá e o Homem da Meia Noite.


Comentários


Curtiu o Assunto? Visite seu patrocinador abaixo: